VENDAS MENORES EM 2020

De acordo com dados mapeados pela Cielo, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) recuou 9,8% em dezembro em relação ao mesmo mês de 2019 já descontada a inação. Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo lojista, o ICVA apresentou queda de 3,4%. A retração seria ainda maior, desconsiderando os efeitos de calendário, que nesse mês beneciaram o resultado do varejo. Desconsiderando esses efeitos, o índice do mês recuou 10,9%, descontada a inação. Em termos nominais, com os ajustes de calendário, o índice retraiu 4,6%. “Em dezembro, o varejo voltou a desacelerar, assim como havia ocorrido em novembro, interrompendo uma tendência de recuperação que vinha desde abril, possivelmente já reetindo um impacto da nova onda do Covid-19”, arma Gabriel Mariotto, diretor de Inteligência da Cielo.



Com o resultado de dezembro, o comércio varejista fecha 2020 com seu pior resultado desde 2014, quando o ICVA começou a ser produzido. De acordo com a Cielo, as vendas no varejo brasileiro caíram 13,9% no ano, descontada a inação, em comparação a 2019. Em termos nominais, o ICVA em 2020 apresentou queda de 10,4%. “Os anos de 2017, 2018 e 2019 haviam sido de retomada, após a crise econômica dos anos anteriores, mas infelizmente em 2020 a pandemia acabou impactando muito fortemente as vendas no varejo”, complementa Mariotto. O macrossetor de Serviços foi o mais afetado pela pandemia. Descontada a inação, apresentou uma queda de 31,6% em 2020 - em termos nominais, a retração foi de 33,3%. Em seguida, vêm os Bens Duráveis e Semiduráveis, com quedas de 15,0% deacionada e de 13,3% nominal.


O macrossetor de Bens não Duráveis apresentou um recuo deacionado de 3,6% e, em termos nominais, um crescimento de 2,8%. Exceto o Norte, todas as demais Regiões do País apresentaram desaceleração na passagem mensal de acordo com o ICVA deacionado e com ajuste de calendário. No Sudeste, a queda foi de 12,4%, seguida das Regiões Nordeste (-10,5%), Sul (-10,5%), Centro-Oeste (-6,3%) e Norte (-0,6%). Pelo ICVA nominal, que não considera o desconto da inação, o destaque foi a Região Norte, com crescimento de 7,5%, seguida pelo Centro-Oeste (0,3%). As demais regiões apresentaram quedas: Sudeste (-6,7%), Sul (-3,9%), Nordeste (-3,5%). O ICVA acompanha, mensalmente, a evolução do varejo brasileiro, de acordo com as vendas realizadas em 18 setores mapeados pela Cielo, desde pequenos lojistas a grandes varejistas. Eles respondem por 1,5 milhão de varejistas credenciados à companhia.


Fonte: http://www.revistaanamaco.com.br/vendas-menores-em-2020