PESQUISA REVELA QUE 66,7% DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS ESTÃO ENDIVIDADAS

A quantidade de famílias com dívidas no Brasil registrou novo aumento em fevereiro, chegando a 66,7% do total no País. O dado corresponde a uma alta de 0,2 ponto percentual em relação a janeiro e de 1,6 ponto em comparação com fevereiro do ano passado. A informação consta na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) realizada, mensalmente, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).


Com o terceiro aumento seguido, o endividamento alcançou a maior proporção desde outubro de 2020. O estudo indica que, por outro lado, a proporção de famílias que declararam estar “muito endividadas” caiu para 13,9%, a menor parcela desde setembro de 2019. A comparação anual também mostra redução do indicador. O percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso também recuou pelo sexto mês consecutivo, alcançando 24,5% em fevereiro, contra 24,8% em janeiro. A proporção é a menor registrada desde fevereiro de 2020 (24,1%), antes do início da pandemia.



Na avaliação do presidente da CNC, José Roberto Tadros, os indicadores vêm confirmando o que foi observado nos últimos meses, mas ainda é cedo para uma avaliação concreta do orçamento dos brasileiros em 2021. “Vimos que não houve uma explosão de inadimplência até fevereiro deste ano, mesmo com mais famílias endividadas, mas o agravamento da crise sanitária e a demora da vacinação ainda vão desafiar a economia do País, principalmente neste primeiro trimestre. Ao mesmo tempo em que as condições de crédito podem funcionar para a recomposição de renda, o impacto da crise no mercado de trabalho deve impor maior rigor às famílias na hora de consumir”, arma Tadros.


A pesquisa mostra, ainda, que a parcela das famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso também diminuiu pelo sexto mês consecutivo, passando de 10,9%, em janeiro, para 10,5%, em fevereiro. É o menor nível desde abril de 2020 (9,9%). A proporção de famílias que utilizam o cartão de crédito como principal modalidade de dívida se manteve em 80% do total, após máxima histórica de 80,5%, em janeiro. Outros tipos de dívida que mostraram crescimento no mês foram o cheque pré-datado e o crédito consignado.


Fonte: http://www.revistaanamaco.com.br/pesquisa-revela-que-667-das-familias-brasileiras-estao-endividadas?utm_campaign=Revista+Anamaco+Online&utm_content=Pesquisa+revela+que+66%2C7%25+das+fam%C3%ADlias+brasileiras+est%C3%A3o+endividadas+-+Revista+Anamaco+%286%29&utm_medium=email&utm_source=EmailMarketing&utm_term=Revista+Anamaco+Online-Newsletter%2319-2021