EXPECTATIVA DO PEQUENO LOJISTA PAULISTANO

A Quórum Brasil realizou, entre os dias 22 e 23 de julho, a pesquisa "Expectativa sobre os preços para os próximos três meses". O levantamento realizou 100 entrevistas com proprietários, gerentes e balconistas de lojas de material de construção de pequeno porte na capital paulista.


Os dados apurados mostram que há uma variação de expectativas sobre a queda ou aumento de preços, dependendo do tipo de produto. Para 48% dos entrevistados, a perspectiva é de que o preço do aço seja reduzido. Percentual próximos aos 42% que creem na queda do preço da tinta acrílica. Também acima de 30% estão as assinalações dos entrevistados que acreditam em recuo nos preços de argamassa colante e areia fina (39%), caixa d’água de 500 litros (38%) e telha de barro colonial (35%). “Os pequenos empresários do setor acreditam que os preços deverão cair em alguns segmentos específicos, mas que continuarão convivendo, nos próximos meses, com a alta”, explica Claudio Silveira, diretor da Quórum Brasil.

Por outro lado, 43% dos entrevistados preveem aumento no preço do cimento, 42% acreditam em elevação na telha de barro colonial e 38% nos impermeabilizantes. "Os entrevistados relataram que não veem sinalização de queda de preços nesses produtos. No caso dos impermeabilizantes, em especial, os fabricantes dependem do asfalto de apenas um grande fornecedor no País", explica Silveira.


O diretor observa que a preocupaçao dos revendedores é grande porque muitos deles - 39%, de acordo com o estudo - comercializam apenas produtos básicos, que são, exatamente, os itens que deverão continuar com os preços em elevação. Esse cenário diminui o nível de otimismo e impacta no humor do lojista, que não vai fazer estoque e vai comprar os produtos para o dia a dia. "O revendedor vai continuar postergando as compras. Isso, em alguns casos, reflete em pouca variedade no mix da loja", finaliza Silveira.


Fonte: http://www.revistaanamaco.com.br/expectativa-do-pequeno-lojista-paulistano